GuiaBolso: suas finanças organizadas em 2 minutos Começar.
 

O que considerar ao criar sua reserva financeira?

Depositphotos_35435777_s

Você sabia que contar com uma reserva financeira, também conhecido por fundo de emergência , é uma maneira de garantir uma vida mais tranquila? Ele serve como uma poupança para eventualidades como gastos inesperados, quitação de dívidas, compra de um bem de alto valor, até mesmo para um momento de desemprego, dentre outros.

Porém, muita gente se pergunta se é preciso ter um fundo com altos valores ou uma pequena poupança já é suficiente. Quer saber quanto dinheiro você deve ter em sua reserva financeira? Confira aqui o que você precisa saber para definir essa questão. Venha com o GuiaBolso.com.

 

Dinheiro que não será investido

O fundo de emergência precisa estar facilmente acessível, afinal, ele será usado para cobrir imprevistos. Portanto, não é interessante que você deposite essa reserva investindo em ações, bens ou títulos. O ideal é ter o fundo na poupança, para ser retirado quando existir a necessidade.

Assim, lembre-se que o que sobra do seu orçamento deve ser parte destinada para um investimento rentável, que pode ser usado para a realização de um sonho, e parte para uma reserva financeira. Entender isso é fundamental para que você verifique quanto você precisa reservar para os imprevistos.

 

Você nunca saberá quanto dinheiro precisará para cobrir o imprevisto

É preciso lidar com esse fato: por se tratar de algo imprevisível, não se sabe o valor de uma emergência. Por isso, quanto mais você reservar, melhor. Mas não se desespere! Há algumas diretrizes para você aproximar um valor para seu fundo.

Você usa muito o carro e o seguro não cobre tudo? Que tal estipular o valor de um conserto? Se, em outro exemplo, você quer vender a casa para investir no próprio negócio, pode criar um fundo de emergência com um valor compatível a alguns meses de aluguel.

Para ter uma base do valor, você pode pensar em consolidar uma reserva financeira no valor de 3 a 6 meses de despesas.

 

Sempre alimente o fundo de emergência

A intenção é que você tenha o valor para pagar pelo imprevisto ou, no mínimo, reduzir prejuízos dando uma entrada, pagando mais parcelas ou se mantendo por um tempo. Assim, caso a reserva seja reduzida, você deve continuar economizando dinheiro e aplicando nela. Afinal, não é porque você passou por algo em que precise desembolsar com urgência, que isso não acontecerá de novo.

Leia também: “Maneiras criativas para tornar a poupança um hábito diário”

 

Verifique quanto pode investir mensalmente para montar seu fundo

Ter organização financeira, se manter dentro do orçamento e poupar para realizar seus desejos devem ser sempre uma prioridade. Assim, foque no que é importante, no que o fará feliz e vá reservando, cada mês, um pouco para elaborar seu fundo de emergências.

Fazer um orçamento em uma planilha de gastos é uma excelente ideia, uma vez que você poderá listar os valores destinados para todos os gastos subtraídos das receitas. Dessa forma, é possível enxergar quanto vai para a poupança e quanto poderá ir para o fundo reserva.

 

A poupança pode fazer o papel de fundo reserva?

Sim, aliás, é a mais recomendado! Além de proteger-se contra a inflação, é uma aplicação sem muita burocracia para ser movimentada. No entanto, você precisa pensar que se a intenção é guardar dinheiro para comprar uma casa ou um carro, por exemplo, o ideal é procurar meios para o valor render mais.

 

E você? Tem seu fundo reserva? Saberia como agir em uma emergência caso precise de dinheiro? Comente!

Já conhece o novo GuiaBolso? Acesse GuiaBolso.com, seu controle financeiro + inteligente.

Comente!

comentários

 
 

 

Baixe agora o aplicativo de
controle financeiro do GuiaBolso!

Baixe na AppStore Baixe na Google Play