GuiaBolso: suas finanças organizadas em 2 minutos Começar.
 

Solucione as suas 8 maiores dúvidas sobre investimento em renda fixa

banner-GB

43463-solucione-as-suas-x-maiores-duvidas-sobre-investimento-em-renda-fixaInteressado em investir seu dinheiro de alguma forma, mas não tem a menor ideia sobre como essas coisas funcionam? Ou já conhece um pouco sobre investimentos, mas tem dúvidas que impedem você de avançar?

De qualquer forma, fique tranquilo. Vamos ajudá-lo com algumas dicas sobre investimentos. Assim, você tem uma noção mais clara sobre como é esse processo e, assim, faz o seu dinheiro render melhor.

Por isso, falemos de renda fixa: uma oportunidade extremamente interessante para novos investimentos. Quer saber mais? Então acompanhe o artigo e solucione suas principais dúvidas sobre o assunto!

1. O que é renda fixa?

É todo tipo de investimento que possui remuneração paga em intervalos predefinidos e condições preestabelecidas. Basicamente, quando investe em renda fixa você empresta dinheiro a alguém a quem chamamos de emissor do título e esse alguém remunera seu investimento pagando em forma de juros.

Por exemplo, se você empresta R$ 1 mil a uma taxa de 2% ao mês, ao fim da aplicação você receberá o valor de R$ 1.020, referente ao valor investido inicialmente acrescido dos juros cobrados.

2. Para quem eu estou emprestando meu dinheiro?

Esse alguém pode ser tanto o governo quanto instituições financeiras ou empresas privadas. Em resumo, dizemos que os investimentos em renda fixa são compras de dívida, ou seja: na verdade, você adquire um título que o torna um credor de determinada instituição.

3. Quais são os principais tipos de investimentos em renda fixa?

Atualmente, a grande alternativa à poupança tem sido o Tesouro Direto. Isso porque muitos brasileiros já perceberam que investir na poupança não tem sido um negócio muito rentável — apesar de sua popularidade junto ao público bancarizado — e o Tesouro Direto oferece, entre outros benefícios:

  • Segurança;
  • Maior rentabilidade;
  • Facilidade de aquisição;
  • Liquidez etc.

Entretanto, existem outras opções muito interessantes como as debêntures (títulos de dívidas de empresas), o CDB (títulos de bancos), as LCIs e LCAs e as LCs.

4. Como funciona o Tesouro Direto?

Entre os mais conhecidos e que oferecem menor risco de crédito — entenda, por risco, a possibilidade de não receber o valor principal negociado, em função de inadimplência — estão os títulos do Governo Federal, também chamados de Tesouro Direto.

Ao comprar títulos da dívida pública, você empresta dinheiro para o governo, ajudando a financiar diferentes operações. Com opções pré ou pós-fixadas, o Tesouro Direto oferece prazos diferentes para o resgate do dinheiro, sempre em função das necessidades de quem investe.

O Tesouro Direto é considerado um investimento seguro por apresentar rentabilidade bastante competitiva em relação a outras aplicações de renda fixa, além de oferecer a possibilidade de indexação dos rendimentos às taxas referenciais de juros ou à inflação. Além disso, é um investimento possível de se realizar a partir de valores muito baixos.

Por outro lado, esse investimento apresenta algumas desvantagens. Entre elas estão:

  • A incidência da tabela regressiva do Imposto de Renda (IR);
  • O prazo de resgate maior, em relação a outros investimentos em renda fixa privada.

5. Como funcionam as debêntures?

Existem também as debêntures, que nada mais são que títulos emitidos por empresas para captar recursos. Por se tratar de títulos de dívidas empresariais, o rendimento das debêntures depende da confiabilidade e solidez de cada empresa, variando em função de fatores como necessidade de crédito e tamanho da organização.

Comparando com os títulos da dívida pública, as debêntures são títulos que oferecem risco de crédito maior, entretanto, o retorno também costuma ser maior.

6. Como funciona o CDB?

Já o Certificado de Depósito Bancário (CDB) é emitido por instituições financeiras, ou seja: os bancos. Por meio desses títulos, os bancos captam recursos, assim como as empresas privadas e o governo. Nesse caso, esses recursos ajudam a financiar atividades de crédito, ou seja, o que você compra, de fato, são títulos de dívidas dos investidores, para que os bancos tenham como oferecer empréstimos e financiamentos.

Os CDBs são negociados a partir de uma taxa fixa de juros ou de uma taxa atrelada a índices econômicos, tais como a inflação, a taxa Selic, entre outros.

7. Como funcionam as LCIs e LCAs?

Siglas para Letra de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio, respectivamente, LCIs e LCAs são investimentos voltados para operações de instituições financeiras nos setores imobiliário e do agronegócio.

Há opções de rentabilidade prefixadas e pós-fixadas, acompanhando o Certificado de Depósito Interbancário (CDI) e garantindo:

  • Rentabilidade maior que a de outras alternativas existentes no mercado;
  • Isenção do Imposto de Renda;
  • Garantia de até R$ 250 mil pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Entretanto, sempre você deve observar a rentabilidade, medida como um porcentual do CDI. Por não pagar IR, em geral as LCIs acabam tendo um baixo porcentual do CDI. Dependendo do caso, vale a pena aplicar no CDB, mesmo este tendo imposto. Fizemos uma simulação aqui.

8. Como funcionam as LCs?

As LCs — sigla para Letras de Câmbio — destinam-se a qualquer investidor que queira obter rendimentos melhores que os apresentados pela poupança em médio e longo prazo.

Elas possuem vantagens, como investimento inicial considerado baixo e rentabilidade diária. Entretanto, têm incidência de IR, com tabela regressiva.

As Letras de Câmbio representam um tipo de crédito privado que, de certa forma, é comparável ao CDB, por também ser emitido por instituições financeiras.

São investimentos considerados seguros por serem garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em até R$ 250 mil por instituição financeira e por CPF, além de serem lastreadas em contratos de financiamentos para pessoas físicas e jurídicas.

São indicadas para investidores de qualquer perfil, desde que não estejam em busca de alta liquidez.

Renda fixa: chega de dúvidas

Por fim, é importante ressaltar que, se você ainda não tem tanto dinheiro para aplicar, os fundos de investimento são uma boa alternativa, pois permitem a diversificação das aplicações.

Por se tratar de um assunto bastante complexo, o investimento em renda fixa é sempre permeado de muitas dúvidas. Entretanto, procuramos apresentar aqui algumas das informações mais relevantes para ajudar você a entender mais sobre o tema.

Compreendendo como funciona cada uma das opções de renda fixa aqui apresentadas, você já é capaz de investir seu dinheiro de maneira mais segura e eficaz, obtendo, assim, bons frutos com sua escolha.

Ficou alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários. Ficaremos felizes em esclarecer!

banner-GB-2

Leia também:

– Compare 6 opções de empréstimo pessoal online
 As 4 melhores planilhas de gastos pessoais para o seu dinheiro
 Planilha de gastos no Excel ou controle financeiro online?
 Planilha de gastos mensais: como fazer?

Comente!

comentários

 
 

Maria Muniz comentou:

É verdade que é vantajoso comprar dolar em fevereiro proximo do carnaval??

24/01/2017, 19:13

    GuiaBolso comentou:

    Oi, Maria

    Tudo bem? O dólar é um investimento bem volátil e fica difícil saber quando é o melhor momento para a compra, ou seja, quando ele estará mais barato. se você for viajar, o ideal é comprar a moeda aos poucos. Divida a compra em três meses distintos, por exemplo. Assim, você fará um preço médio que, muitas vezes, fica mais barato do que tentar “acertar” o melhor momento de compra.

    Boas compras!

    26/01/2017, 09:33

Ariom Moreno comentou:

Li e gostei das informações. De fato não estou conseguindo seguir o melhor caminho para fazer aplicação ou investimento com rentabilidade condizente, rendendo juros satisfatórios.

Qual o melhor caminho a seguir?

25/01/2017, 14:31

    GuiaBolso comentou:

    Oi, Ariom

    Tudo bem? Não existe um melhor caminho porque o objetivo de cada um e o risco que aceita correr é diferente. Recomendamos que você antes de tudo se cadastre em uma corretora. Há várias que atuam na área de renda fixa, como Easynvest, Rico, XP, etc. Você pode ver a lista de corretora no site do Tesouro Direto. Após o cadastro você receberá uma orientação especializada sobre os produtos e irá começar a se familiarizar com eles. Lembrando que o simples cadastro é gratuito. Só pode ser cobrada alguma taxa quando você for investir.

    Bons investimentos!

    26/01/2017, 09:58

KATHERINE CAPLA comentou:

Oi, gostaria de saber como deve escolher a minha corretora? Deve ter nome.limpo para poder investir?

26/01/2017, 08:09

    GuiaBolso comentou:

    Oi, Katherine

    Tudo bem? Você já tem ideia de onde vai aplicar seu dinheiro? Tesouro Direto, ações ou outro ativo? Um primeiro ponto que você pode observar na escolha da corretora é se ela possui bons relatórios sobre o investimento que você pretende fazer. Às vezes, a corretora ode ser muito boa em relatórios de ações, mas ter pouca orientação sobre Tesouro Direto e vice-versa. Você também deve avaliar os custos da aplicação poque eles podem variar muito de uma casa para outra. Alem disso, claro, escolha uma corretora autorizada pela Bovespa.

    Pessoas com o nome sujo podem investir também, mas o problema é que em geral o retorno dos investimentos é menor do que o juro cobrado no cheque especial, cartão de crédito e em outras modalidades de crédito. Ou seja, o crescimento do seu patrimônio será menor do que a quantia que você irá pagar caso deixe as dívidas em aberto. Por isso, vale a pena quitar as dívidas e limpar o nome para depois aplicar.

    Abraço!

    26/01/2017, 09:31

Fabiano comentou:

Olá! Minha dúvida é a seguinte: Tenho investido a mais de 10 anos em previdência privada, não tenho abatimento no IR e já passei por toda tabela regressiva de IR. É vantagem mudar esse montante de investimento ou investir ainda mais nessa modalidade visto a minha história?

29/01/2017, 15:51

    GuiaBolso comentou:

    Oi, Fabiano

    Tudo bem? A decisão de sair passa também por saber qual foi a rentabilidade média do fundo e compará-la com a do mercado. Além disso veja se há taxa de carregamento e o valor da taxa de administração. Se houver carregamento ou se a administração for muito alta, vale a pena sair. Em geral, produtos de previdência muito específicos são bons, mas muitos rendem menos do que se você mesmo fizesse o investimento. Considere aplicar diretamente nos produtos do mercado.

    Bons investimentos!

    31/01/2017, 11:26

 

Baixe agora o aplicativo de
controle financeiro do GuiaBolso!

Baixe na AppStore Baixe na Google Play