Quanto cobrar por um trabalho como freelancer?

49624-trabalho-freelancer-3-dicas-para-conseguir-uma-renda-extra

banner-mktplacedireto-2

49624-trabalho-freelancer-3-dicas-para-conseguir-uma-renda-extraPor Luciane Costa, do blog Vivendo de Freela*

Fazer freela para ganhar dinheiro extra ou até como modelo de carreira tem se tornado mais comum nos últimos meses, seja pela necessidade, seja pelo interesse em um trabalho com mais flexibilidade e independência.

Um dos grandes desafios para quem aposta nesse tipo de atuação profissional, entretanto, é conseguir de fato ter rentabilidade a partir dos seus serviços, dificuldade decorrente de uma importante pergunta: quanto cobrar por um freela?

Como calcular seu preço como freelancer

Quem já trabalha como freela sabe que os valores oferecidos por potenciais clientes ou os praticados por outros profissionais podem ser bastante surreais, o verdadeiro “preço de banana”. Mas, na verdade, por trás disso está o fato de que muitos freelas não sabem definir um valor para seu serviço que seja realmente rentável e ainda assim justo para o mercado.

Para ajudar, neste artigo vou dar um caminho que você deve seguir na precificação de seus trabalhos. Confira abaixo!

Quanto tempo leva para desenvolver seu trabalho?

Esse é um raciocínio que não costumamos fazer quando trabalhamos dentro de uma empresa, principalmente quando não somos cobrados por produção como na vida de freelancer. É fundamental, entretanto, que você comece a ter pelo menos uma média de quanto tempo leva para realizar cada tipo de trabalho. Essa será a base para a sua precificação!

Quanto vale sua hora profissional?

Saber quanto custa sua hora como profissional é o próximo passo. Para isso, saiba quanto ganharia em uma função equivalente ao serviço que irá prestar se estivesse alocado como funcionário de uma empresa na sua cidade. Por exemplo, se vai trabalhar com gerenciamento de redes sociais, pesquise quanto um analista de redes sociais recebe – sempre levando em consideração sua experiência profissional (junior, pleno ou senior). Para isso, busque referências de sua própria vida profissional e de colegas, mas conte também com sites como Love Mondays e Vagas.com para encontrar médias de mercado.

Depois que souber o valor do salário + benefícios, faça a divisão por 160 (número de horas trabalhadas por mês) para chegar a um valor inicial para a sua hora como prestador de serviços. Não se esqueça: para contratos CLT, o custo para a empresa é em média 50% maior que o salário na manutenção de um funcionário.

Quais são os custos envolvidos no serviço?

O valor calculado no tópico anterior, entretanto, não deve ser encarado como o preço final para seus clientes. Pelo contrário, pense que agora todos os custos envolvidos na entrega do serviço são de sua responsabilidade. Luz, internet, material de escritório, deslocamento para reuniões, ferramentas, entre outros, devem ser pensados como despesas de sua “empresa”, portanto, fazem parte do custo total do serviço.

Tente diluir esses valores de forma justa entre os diferentes clientes que possa atender ou de acordo com as suas horas trabalhadas. Lembre-se, também, de colocar seu uso pessoal nessa divisão. Afinal, seus clientes não precisam pagar por toda sua conta de internet se boa parte do uso é para assistir séries no Netflix, certo?

Quanto seus concorrentes estão cobrando?

Por fim, antes de fechar qualquer preço pelo serviço que presta, olhe para o mercado. Você precisa saber os preços que seus concorrentes praticam, sejam outros freelancers ou empresas bem estruturadas. A partir de então, ajuste seu valor por hora de acordo com o mercado – não é incomum perceber que está cobrando muito pouco ou até demais pelo serviço.

Considere ainda que os valores mudam bastante de acordo com o perfil do cliente (profissionais autônomos, pequenas e médias empresas, grandes negócios) ou com o segmento de atuação deles. Às vezes, encontrar aqueles setores que permitem melhor remuneração pode ser uma verdadeira mina de ouro para os freelas que se especializarem!

Ajuste seus valores de acordo com o projeto!

Agora que você já tem um caminho para pensar o preço de seus serviços como freelancer, use as referências para calcular cada projeto para o qual fizer um orçamento. Sim, você terá que pensar um valor em cada negociação. Se quer poder cobrar melhores preços e encontrar melhores clientes, seus serviços não podem ser “produtos de prateleira”, você terá maior sucesso se oferecer soluções realmente personalizadas e de acordo com as necessidades de cada empresa que atender.

Você trabalha ou quer trabalhar como freelancer? Compartilhe aqui nos comentários quais são suas principais dificuldades na hora de precificar seu serviço!

* Vivendo de Freela é um canal de conteúdo voltado para profissionais que querem ser donos da própria carreira, com dicas e inspiração para realmente viver de freela

banner-mktplacedireto-1

Leia também:

– Compare 5 opções de empréstimo pessoal online
 As 4 melhores planilhas de gastos pessoais para o seu dinheiro
 Planilha de gastos no Excel ou controle financeiro online?
 Planilha de gastos mensais: como fazer?

Comentários

comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *