GuiaBolso: suas finanças organizadas em 2 minutos Começar.
 

5 fatores que influenciam o rendimento do Tesouro Direto

banner-mktplacedireto-2
Quem pensa em investir no Tesouro Direto precisa, além de poupar o dinheiro para comprar o título mais adequado, estudar como funciona a tributação. É recomendado saber quando, onde e como colocar seu dinheiro para conquistar os melhores rendimentos. É por isso que hoje falaremos sobre o rendimento no Tesouro Direto.

Você provavelmente já sabe como esse investimento funciona, mas será que entende realmente o que pode influenciar seus ganhos quando compra um papel do Tesouro?

Acompanhe e descubra os 5 fatores que influenciam seus ganhos com títulos públicos!

Leia também:

– Compare 5 opções de empréstimo pessoal online
 As 4 melhores planilhas de gastos pessoais para o seu dinheiro
 Planilha de gastos no Excel ou controle financeiro online?
 Planilha de gastos mensais: como fazer?

1. Taxa Selic

O Tesouro Direto funciona como um empréstimo de dinheiro ao governo. Seus rendimentos como credor desse empréstimo serão os juros pelo tempo em que a quantia ficou emprestada.

Esse juros podem ser prefixados — quando são determinados no momento da compra do título — ou pós-fixados — quando sofrem mudança de acordo com a variação de algum índice.

Um exemplo de título pós-fixado é o Tesouro Selic, que tem seus juros atrelados à taxa Selic e é o título público mais conservador. O rendimento cresce com o aumento na taxa básica de juros da economia e você deve estar atento a ela na hora de comprar seus papéis. Se a tendência for de queda da Selic, o rendimento será menor – mas isso não significa que você irá perder dinheiro.

2.Índice de Preços ao Consumidor Amplo

Como falamos, os títulos públicos pós-fixados possuem seus juros atrelados à algum índice da economia. Nesse modelo temos, além do Tesouro Selic, o Tesouro IPCA+, que tem seu valor atualizado pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Essa é uma ótima opção para quem quer proteger o rendimento no Tesouro Direto da inflação, visto que o IPCA é o índice de referência para medir a inflação no Brasil.

Ele é calculado pelo IBGE e aponta mensalmente a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal entre 1 e 40 salários mínimos das 11 principais regiões metropolitanas do país.

3. Pagamento de juros semestrais

Além de olhar se o título é pré ou pós-fixado, é importante atentar-se à existência do pagamento ou não de juros semestrais. Por exemplo, o Tesouro IPCA+ possui sua versão com pagamentos semestrais, que significa que quem comprar esse título receberá os rendimentos divididos de 6 em 6 meses, até a data de vencimento da folha.

No caso dos títulos que não pagam juros semestrais, o pagamento do rendimento no Tesouro Direto é feito somente na data de vencimento.

É preciso cuidado com esse ponto. Como a inflação pode variar muito no prazo de 6 meses a partir de agora até a data de vencimento, o recebimento ou não de juros semestrais terá grande influência sobre seus ganhos.

4. Data de vencimento

A data de vencimento é o dia em que o empréstimo será pago, ou seja, em que você receberá o que pagou mais os juros. Como qualquer outro empréstimo, quanto mais tempo você manter o seu dinheiro emprestado, maiores serão os rendimentos.

Contudo, é preciso atenção à sua estratégia. Os títulos podem ser comercializados pela plataforma do Tesouro Direto a qualquer momento, mas nem sempre é vantajoso vendê-los antes do vencimento. Por isso, não compre um título sem ter certeza de que pode manter o dinheiro lá até a data de vencimento.

5. Tesouro Direto e tributação

O Tesouro Direto não é um investimento livre da incidência de Imposto de Renda (IR), e é preciso atenção à sua tributação para não prejudicar seus rendimentos. Quanto mais tempo você mantiver o título, menor será a cobrança de IR. A cobrança nesse caso segue as seguintes regras:

  • 22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias;
  • 20% para aplicações com prazo de 181 dias até 360 dias;
  • 17,5% para aplicações com prazo de 361 dias até 720 dias;
  • 15% para aplicações com prazo acima de 720 dias.

Além disso, quem fizer o resgate do título com menos de 30 dias da compra, também sofrerá incidência de IOF.

Agora que você já conhece os principais fatores que influenciam seu rendimento no Tesouro Direto, basta entrar na plataforma e começar a fazer seu dinheiro trabalhar por você!

E para continuar acompanhando dicas de como se tornar um investidor de sucesso, assine nossa newsletter gratuitamente!

banner-mktplacedireto-2

Comente!

comentários

 
 

Jaciara comentou:

Boa tarde, quero saber,se quem
ganha 2 salários,pode investi

21/09/2017, 17:52

    GuiaBolso comentou:

    Pode Jacira!! O investimento mínimo é de R$ 30 =D

    21/09/2017, 18:23

 

Baixe agora o aplicativo de
controle financeiro do GuiaBolso!

Baixe na AppStore Baixe na Google Play