O seu guia para declarar o Imposto de Renda

leão 2

banner-mktplacedireto-2

Por Isabella Mello

Quem se preocupa em estar no controle de suas finanças sabe que pagar as contas em dia e honrar os compromissos é o primeiro passo para o sucesso. Então, se você é dessas pessoas que dominam o dinheiro e mostram para ele quem é que manda, com certeza já está se programando para declarar seu Imposto de Renda.

O prazo para a declaração teve início no dia 1° de março e finalizará em 30 de abril. Apesar da longa duração, a gente sabe que o tempo passa voando, né? Por isso, quanto antes você se livrar dessa tarefa, menos risco corre de esquecer e depois ter que lidar com as consequências.

Pensando em sempre te ajudar e tornar cada missão mais fácil, o GuiaBolso preparou um guia completo para te orientar na hora de declarar o seu Imposto de Renda. Aqui, colocamos tudo o que você precisa saber antes e durante a tarefa. Não tem mais o que errar! Confira:

 

O que é a declaração de Imposto de Renda?

O Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) é um imposto federal cobrado a todos que tiveram um ganho anual acima do teto estipulado pela Receita. Todo mês o trabalhador com carteira assinada é descontado pelo Imposto de Renda. Mas, além disso, todo ano essas pessoas devem informar – fazer a famosa declaração – os ganhos e patrimônio do ano anterior. E é na declaração que a pessoa descobre se terá direito a uma restituição.

Aliás, essa é a parte boa e que pode servir de incentivo para aqueles preguiçosos que deixam para o final do prazo. Com a declaração, a receita calcula se você pagou mais impostos do que deveria e, se isso aconteceu, devolve a quantia para te restituir. E tem mais: quanto antes você enviar suas informações, mais cedo poderá receber o seu dinheirinho!

Mas é importante lembrar que a Receita também desmascara aqueles que pagam menos impostos do que deveriam. Se esse for o caso, a pessoa recebe uma cobrança para quitar a pendência referente a isso, o que pode ser feito via boleto bancário ou débito automático.

 

Como ocorre a restituição?

Todos os meses, as empresas recolhem o imposto de renda de seus funcionários direto da fonte, ou seja, ele já vem descontado no holerite. Quando o valor recolhido, ao final do ano, é maior do que o devido, a pessoa tem direito à restituição.

Os gastos dedutíveis também ajudam a aumentar a quantia a ser restituída. Por isso, é tão importante registrar os gastos com saúde, educação, dependentes, previdência social ou privada e até com doações.

Aqui, vale fazer uma observação: a partir desse ano, a Receita Federal exige que todos os dependentes maiores de 8 anos tenham CPF!

 

Mas, afinal, eu devo fazer a declaração?

Nesse ano, devem declarar todos aqueles que:

– receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2017

tiveram rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados na fonte, com soma superior a R$ 40 mil

tiveram ganhos de capital com alienação de bens ou direitos (como uma venda de imóvel) ou realizaram operações em bolsas de valores

 

Não sei fazer a declaração! E agora?

Fica tranquilo! O GuiaBolso está aqui para te ajudar! Depois de entender exatamente o que é o Imposto de Renda e como você pode ganhar um dinheirinho com isso, está na hora de partir para a prática. Então, olha só esse passo a passo:

    1. Baixe o programa no site da Receita Federal, para fazer pelo computador, ou o app Meu Imposto de Renda, disponível para iOS e Android

 

    2. Opte por um dos modelos de declaração:

Completo: você mesmo informa todas as deduções, sem limite para a soma delas.

Simplificado: considera automaticamente um desconto padrão de 20% do total de rendimentos tributáveis, que substitui todas as deduções que seriam feitas no modelo completo.

Dica: se as suas despesas dedutíveis forem maiores que 20% da renda, escolha o modelo completo. Se não, prefira o simplificado. Assim, você tem chances maiores de aumentar sua restituição.

Você também pode fazer essa escolha depois de preencher todos os campos da declaração. Dessa forma, dá para comparar qual é mais vantajoso para você se estiver difícil de visualizar antes.

 

    3. Tenha todos os documentos organizados e em mãos:

Comprovantes de rendimento, como informes de salário, pensão, aposentadoria e de recebimento de aluguel de imóvel

Comprovantes de despesas e doações

Documentos de compra e venda de bens

Extrato que informe seus investimentos, como como ações, Tesouro Direto e outros

   

    4. Preencha todos os campos que estiverem relacionados à movimentação do seu dinheiro.

 

    5. Confira os dados:

É importante verificar se tudo foi preenchido corretamente. Um único errinho pode encaminhar a sua declaração para a malha fina – uma avaliação minuciosa – e tornar o processo muito mais lento. Para te ajudar, clique em “Verificar pendências” para ser alertado se o programa encontrar qualquer incoerência.

 

    6. Não se esqueça de informar sua conta bancária:

Após completar as informações, vá à aba “Calculo do Imposto”, localizada em “Resumo da Declaração” para acrescentar as suas informações de conta e agência bancária.  Elas são importantes pois são o destino da sua restituição!

 

    7. Envie!

O último passo é enviar o seu documento! Para isso, basta clicar em “Entregar Declaração”. Nessa hora, não se esqueça de salvar e guardar o recibo. Ele pode ser necessário em algum outro momento. 

 

Errei a declaração! O que eu faço?

Se você seguiu todos os passos anteriores, mas, depois de enviar o documento, percebeu algum erro, a saída é fazer uma declaração retificadora.

Ela deve conter todas as informações da declaração original e, ainda, as alterações necessárias. Assim, é ela que passa a valer após ser enviada – a data para restituição também muda com isso, ok?

Na hora de preenchê-la, selecione “declaração retificadora” em “identificação do contribuinte”. Além disso, é preciso que você tenha em mãos o número do recibo da declaração enviada anteriormente, para que todos os passos possam ser completados.

 

Socorro! Perdi o prazo!

Se você não conseguiu fazer a sua declaração dentro do prazo, a primeira dica é: não continue enrolando! Isso porque a multa aplicada aumenta a cada mês de atraso que passa – quanto mais você enrolar, maiores são as chances de continuar esquecendo e, no fim, ter uma taxa gigante para pagar, certo?

Assim que você enviar a sua declaração fora do prazo, receberá uma notificação da Receita Federal com o valor da multa. No primeiro mês, ela é de 1% sobre o total de imposto devido, com valor mínimo estabelecido de R$ 165,74. Já no segundo mês, ela aumenta para 2% e assim por diante.

Se você não pagar e tiver restituição a receber, a multa será descontada do valor que você receberia. Então, para fugir dela, só declarando dentro do prazo mesmo!

 

Fique de olho na agenda

Todo ano, várias faculdades fazem um mutirão para ajudar a população a declarar o Imposto de Renda. Neles, estudantes e profissionais auxiliam gratuitamente no preenchimento de dados. Vale a pena se informar para saber as datas dos próximos.

 

Agora, você já está superpreparado para fazer a sua Declaração de Imposto de Renda! Não se esqueça: quanto antes você declarar, melhor será para você!

Gostou do nosso guia? Conte para a gente!

banner-mktplacedireto-2

Comentários

comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *