4 dicas para aproveitar as novas regras do cartão de crédito

75659-como-funciona-e-como-calcular-o-rotativo-do-cartao-de-credito

banner-mktplacedireto-2
Recentemente, as mudanças no rotativo do cartão de crédito completaram 6 meses e isso foi até destaque em uma reportagem do Estadão com o GuiaBolso nessa semana. Segundo pesquisa do GuiaBolso, o pagamento de juros diminuiu após as mudanças, mas isso não significa que o brasileiro paga pouco. Os juros do cartão de crédito continuam a ser um dos mais caros do mercado.
Pensando nisso, preparamos um post especial para você. Vamos relembrar o que mudou nas novas regras do cartão de crédito.

Quais são as novas regras do cartão de crédito?

Desde abril de 2017, quem usa o cartão de crédito e não paga o valor integral da fatura deve ficar no crédito rotativo por 30 dias. Segundo o Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão responsável pela implementação da nova regra, após esse período o consumidor é levado para um plano de crédito parcelado.
Os bancos cobram menos juros no parcelamento do que no rotativo. Enquanto o parcelamento da fatura gira em torno de 14% ao mês, o crédito parcelado fica na casa de 8% ao mês.
Para citar um exemplo de como funciona na prática, digamos que por algum motivo você não consiga pagar o valor integral da fatura de outubro, pagando apenas o valor mínimo. Automaticamente, você entra no crédito rotativo por 30 dias, ou seja, até a data de vencimento da próxima fatura (em novembro). Caso quite a fatura no mês seguinte, não precisará mais se preocupar, mas se não conseguir deverá ser transferido para o crédito parcelado em junho.

Como pagar menos juros?

Por meio de uma simulação feita no aplicativo de finanças pessoais GuiaBolso, migrar do crédito rotativo para o crédito parcelado pode sair bem mais barato, facilitando a quitação das dívidas.
Por exemplo: uma pessoa com uma dívida de R$ 1.000 no crédito rotativo pagaria, após um ano, R$ 2.213,76 no total. Pela nova regra, ficando um mês no crédito rotativo e migrando para o crédito parcelado no mês seguinte, o consumidor deverá pagar R$ 1.771,99 no total — uma economia de R$ 441,77 no ano.
Para reduzir ainda mais o valor pago em juros, o consumidor deve pesquisar as taxas de empréstimos pessoais no mercado, incluindo a cobrada no seu banco e em opções de crédito online.

Como quitar as dívidas?

Se você tem mais de um cartão de crédito, junte todas as faturas e negocie com os bancos uma alternativa melhor para quitar as dívidas. Como os juros podem variar bastante entre as modalidades, não deixe que o banco escolha o plano automaticamente. O correto é pesquisar e negociar taxas melhores ou solicitar uma modalidade mais atrativa para você.

Como voltar a usar o cartão com segurança?

O limite de crédito sofrerá reduções, caso entre no crédito rotativo e, posteriormente, no parcelado. Mas, ao quitar as dívidas, volte a usar o cartão de crédito analisando o quanto pode pagar, e não com base no limite disponibilizado pelo banco.
Mesmo com as novas regras do cartão de crédito que já vigoram há 6 meses no País, seja responsável no uso do cartão. Use-o de forma planejada e moderada, pagando a fatura sempre em dia. Para ajudar, conte com um aplicativo de finanças pessoais e tenha maior controle sobre os seus gastos.
banner-mktplacedireto-2]]>

Deixe seu comentário aqui

Seu enderço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *