Compras em dólar: como lidar com a alta da moeda

5dolar

Com o dólar ultrapassando a casa dos R$ 5, muita gente que já tinha feito compras na moeda ficou preocupada: o que fazer com os futuros boletos? Pensando nisso, reunimos hoje algumas dicas de como lidar com eles em tempos de coronavírus.

Dividimos o conteúdo em duas partes: a primeira é voltada para quem já fez as compras em dólar; na segunda, falamos com quem terá algum tipo de gasto em dólar no futuro.

Mas antes de dar as sugestões vamos ver como as pessoas estavam se comportando nas compras em dólar nos últimos meses?

Compras em dólar no cartão de crédito

O ano começou com as pessoas reduzindo o valor gasto no cartão de crédito em compras em dólar. Não é para menos né? Em março, a moeda chegou a bater os R$ 5, algo que nunca havia acontecido antes. Mas mesmo nos meses anteriores as pessoas já vinham diminuindo essa despesa.

Buscando economizar mais, os consumidores reduziram o valor em compras em dólar em 6% em 12 meses (comparamos os gastos de fevereiro de 2020 com fevereiro de 2019). Na fatura total (gastos em reais mais dólar), a queda foi maior, de 22%, pois só as compras em real tiveram queda de 26%.

Ou seja, as pessoas reduziram os gastos em geral, mas menos em dólares do que em reais. A proporção dos gastos em dólar em relação ao total da fatura, inclusive, subiu: as compras na moeda estrangeira representavam 15,34% da fatura em fevereiro de 2019 e agora somaram 18,64% em fevereiro de 2020.

Gastos em dólar no cartão de crédito (todos os valores foram convertidos para R$)

MêsGasto feitos em reais (G1)Gastos feitos em Dólar (G2)Total da fatura (G1+G2)% dos gastos em dólar (G2/Total da fatura)
jan/1952391058629716,80%
fev/195022910593215,34%
mar/1946311001563217,77%
abr/1949881042603017,28%
mai/1951991141634018,00%
jun/194781996577717,24%
jul/195495978647315,11%
ago/194967930589715,77%
set/194379979535818,27%
out/194818999581717,17%
nov/1948451043588817,71%
dez/1950621007606916,59%
jan/2047791013579217,49%
fev/203741857459818,64%

Dólar em alta: como lidar com a fatura?

Parte 1: Quem já fez as compras

Se você viajou para o exterior no último mês e a fatura vai chegar agora, deve estar até ansioso para ver o tamanho da conta. Vamos às dicas para tentar minimizar o estrago no bolso:

1 – Calcule quanto deve em parcelas

Caso tenha feito compras parceladas, calcule quantas são e a soma de todos os valores. Só colocando tudo na ponta do lápis você saberá qual o tamanho das contas que estão por vir.

2 – Estipule uma margem de erro

Provavelmente você fará as contas das parcelas usando a cotação atual do dólar. Coloque nesta conta uma margem de erro de 10% para cima. Se a moeda subir mais, você já estará preparado. Se cair, melhor pois terá se planejado para pagar uma conta ainda mais alta.

3 – Corte e renegocie gastos

Agora que você já sabe o tamanho da conta e tem até um valor acima para se planejar, pode começar a rever os gastos. Em tempos de coronavírus, há despesas que podem ser cortadas, renegociadas ou, no mínimo, controladas.

+ Cortar, renegociar e diminuir: 12 dicas para economizar com a quarentena de Covid-19

4 – Adiante o pagamento

Por fim, se você já tiver dinheiro guardado e achar que o dólar pode ficar ainda mais instável, pode adiantar o pagamento das próximas faturas. Só não fique olhando para trás depois e se arrependendo caso a moeda recue. A ideia de adiantar o pagamento serve para você se livrar dessa preocupação e não carregá-la com você.

Parte 2: Quem irá ter gastos em dólar

Já para quem terá gastos em dólar, valem as mesmas dicas acima (projetar os gastos, colocar uma margem de erro de despesa 10% superior e adiantar o que for possível) e mais algumas:

1 – Parcele as compras em dólar

Não estamos viajando em tempos de pandemia e nem é possível saber como estará o mundo no fim do ano, mas se você pretende fazer uma viagem ou intercâmbio no segundo semestre pode parcelar a compra de moeda física, se não mensalmente a cada dois meses. As compras recorrentes fazem com que você construa um preço médio e assim minimize o risco de pagar caro pela moeda.

2 – Fundos cambiais, multimercados e outros investimentos

Há alguns investimentos que aplicam justamente em moedas e, nesses momentos, servem de proteção para quem terá um futuro gasto em dólar. Caso esteja com receio de mais altas da moeda, pode colocar um pequeno valor nesses fundos e aplicações e fazer o que os gestores chamam de “hedge” (proteção).

3 – Pesquise preços

Sempre damos essa dica de comparar preços e para o dólar não é diferente. As casas de câmbio cobram valores diferentes pela moeda. E se você está com preguiça de ligar em vários locais, não tem nem desculpa porque hoje em dia muitas casas vendem tudo pelos seus sites. Há ainda a plataforma Melhor Câmbio que pesquisa por você as cotações.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *