Conceitos errados sobre controle financeiro

controle-financeiro-erros-2

Ao tentar elaborar o seu controle financeiro, você percebe que algo dá errado, não é mesmo? Ou as contas não fecham, ou o orçamento não está completo, enfim, há muitas possibilidades que levam a problemas de gestão de finanças pessoais. A seguir, pontuaremos alguns dos equívocos mais frequentes em termos de conceitos de finanças, para que você não caia mais em armadilhas e consiga se organizar de maneira mais prática e objetiva.

controle financeiro erros
O salário bruto é considerado sua renda efetiva – para que se saiba com clareza qual o montante real de que se dispõe todos os meses, deve-se considerar não o salário “total”, mas sim o valor líquido, após os descontos de impostos e direitos trabalhistas.
 

Planejar-se não levando em consideração seus débitos e dívidas é um problema grave na organização das finanças, pois, evidentemente, as contas não fecharão. Trace planos de pagamento para essas dívidas, negocie-as sempre que possível.

controle financeiro problemasCada um dos gastos precisa fazer parte do orçamento mensal. Entretanto, muita gente acaba não prestando atenção aos gastos cotidianos comuns – justamente os mais baixos, mas que ao fim de um mês, ou até um ano, certamente pesarão em seu controle financeiro.

Após constituir uma boa planilha de orçamento, é comum que se esqueça das variações que essas contas ou dívidas tenham no dia a dia. Portanto, é fundamental que se faça o acompanhamento profundo de suas alterações possíveis, a fim de não perder o controle.

controle financeiroMuitas pessoas dividem em várias áreas o seu orçamento, considerando o gasto geral, como, por exemplo, lazer, alimentação, transporte etc. Contudo, é importante que se amplie essa descrição para que se possa perceber o que é efetivo, o que é supérfluo, o que pode ser economizado. Assim, você ganhará possibilidades estratégicas de economia todos os meses.

O seu objetivo não pode se pautar apenas em pagar tudo em um mês e ficar sem nada. Evidentemente, que não ter dívidas é muito bom, mas é muito importante que se tenha alguma reserva financeira para eventualidades, momentos de crise financeira, entre outros cenários complexos, dentre os quais ninguém está isento.

]]>

Deixe seu comentário aqui

Seu enderço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *