Dicas para definir o número de contas ideal para você

Businessman showing a document

Businessman showing a document

É cada vez mais comum que para cada nova meta financeira, uma conta nova seja aberta, muitas vezes até em um banco diferente. Há quem tenha uma conta corrente, uma conta destinada ao fundo de emergência, uma conta empresarial, uma conta salário, uma poupança para a educação dos filhos, uma para a conquista de objetivos de curto prazo e a extensa lista de contas segue parecendo interminável.

A princípio, isso pode parecer vantajoso em termos de organização, mas será que a prática de ter múltiplas contas é positiva? Quando ela passa a ser prejudicial para as finanças? Confira algumas dicas do GuiaBolso.com para definir o número ideal de contas e responda você mesmo a essas perguntas.

 

Moderação é fundamental

O excesso em todas as áreas da vida é prejudicial. Isso vale também para o número de contas. Tome cuidado para não se deixar levar pelas propagandas e “benefícios” das instituições financeiras. Não se esqueça de que ter uma conta não é de graça! Quando somadas, as taxas administrativas e as tarifas das operações bancárias podem acabar representado sérios prejuízos para a sua vida financeira. Além disso, se controlar uma única conta é uma atividade complexa, que demanda organização e disciplina, o que dizer de gerenciar várias contas ao mesmo tempo?

 

Você realmente precisa de muitas contas?

Um dos passos mais importantes na definição do número de contas a serem abertas ou mantidas é se questionar se realmente tantas contas são necessárias. Possivelmente durante a sua reflexão você perceberá que há contas que você mal movimenta e realmente só têm servido para gerar gastos.

É preciso avaliar quais contas são melhores para a sua realidade. Isso significa que você deve levantar a utilidade e as vantagens de cada uma. Pesquise a política de taxas, analise os benefícios agregados, a frequência e volume de movimentação, os incentivos e os pontos negativos da conta. Feito isso, mantenha apenas as úteis e vantajosas. O que nos leva à próxima dica.

 

Não tenha mais de uma conta para o mesmo fim

Certamente, o gerente tentará te convencer a não encerrar a conta que, após reflexão sobre o assunto, você julga desnecessária, mas você deve seguir firme no propósito de diminuir a quantidade de contas e reduzir suas despesas.

A conta poupança, por exemplo, é um investimento seguro e rentável para quem quer conquistar objetivos específicos, mas não vale a pena abrir várias poupanças para uma mesma finalidade. Embora não haja a cobrança de taxas administrativas nesse tipo de conta, segundo especialistas, aplicar as economias em duas contas-poupança reduz o poder de compra pela metade, além de dificultar o controle financeiro.

 

Você tem um banco de confiança?

Não se aventure na busca por instituições financeiras diferentes se você está satisfeito com o seu banco atual. A maioria das instituições apresentam taxas e serviços distintos e, justamente por isso, você deve abrir contas em bancos que se adéquem melhor ao seu perfil, seja pela  conveniência, pela confiança, pelo atendimento ou pela facilidade de uso. Se você encontrar um bom banco, prefira concentrar suas contas nele, até porque há incentivos para clientes antigos e com muita movimentação financeira.

 

Agora que você já tem essas dicas, procure segui-las: defina o número de contas que você precisa com sensatez e responsabilidade, avaliando suas reais necessidades e analisando as especificidades de cada conta.

E você, o que pensa sobre esse assunto? Se ainda tem dúvidas ou até mesmo outras dicas para quem está vivendo essa situação, compartilhe-as conosco nos comentários!

Já conhece o novo GuiaBolso? Acesse GuiaBolso.com, seu controle financeiro + inteligente.

]]>

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *