Como utilizar microcrédito

shutterstock_111061541-2

Embora não seja uma novidade, o termo microcrédito no Brasil tem sido difundido há poucos anos e você, provavelmente, já viu cartazes em bancos ofertando-o. A intenção é que ele seja uma fonte de recursos para microempresários iniciarem ou impulsionarem seus negócios, com a vantagem de oferecer melhores condições de pagamento a juros menores.
O microcrédito tem o poder de fortalecer a economia, afinal as empresas de menor porte também geram emprego e renda. No Brasil, tanto o governo como os bancos descobriram essa força dos pequenos negócios. Hoje, um dos principais estímulos aos microempresários é justamente essa fonte de capitação de recursos. Aqui, essa modalidade de crédito só se tornou viável a partir de 1994, com a estabilização econômica.

Qual o valor e quem pode utilizar o microcrédito?

Os valores concedidos pelo microcrédito são baixos. A média dos empréstimos gira em torno de R$ 1500. Mas os limites variam e podem alcançar até R$ 5 mil. Mas não fique com a impressão de que a tomada de crédito segue a mesma lógica das demais modalidades ofertadas pelo mercado. O microcrédito tem uma finalidade clara e segue regras específicas. O objetivo é estimular negócios para empreendedores (formais ou informais) de baixa renda. O dinheiro pode servir tanto como capital inicial de um empreendimento como capital de giro para investimento.
Como funciona?
Para atender a todos os empreendedores que precisam do dinheiro, os critérios para concessão do crédito também são mais brandos. Diferentemente da prática convencional de empréstimo, que envolve aprovação prévia, o microcrédito não exige os mesmos trâmites burocráticos. Isso significa que não é necessário dar garantias reais, como comprovante de renda, por exemplo. Isso, por outro lado, não quer dizer que a instituição bancária não faça uma avaliação de valores e das necessidades do cliente.
Outra característica do microcrédito é a agilidade, que garante o repasse da verba de forma menos burocrática. Além disso, a transação também tem valores mais baixos, o que facilita o pagamento das parcelas.

Avaliação e orientação acompanham o microcrédito

Justamente por não cobrar garantias comuns aos outros tipos de empréstimo, o banco necessita de outras certificações, inclusive para definir qual é a quantia mais adequada para atender às expectativas do microempresário.
Quando solicitado o empréstimo, os agentes de crédito vão ao local em que o empreendedor atua, mesmo que informalmente, para estudar as necessidades do negócio e estruturar condições de pagamento que estejam de acordo com as possibilidades do tomador de crédito. Muitas vezes, o microempresário é orientado a melhorar a gestão e controles financeiros, acompanhando o desenvolvimento do negócio. Por isso, vale a pena estruturar um Plano de Negócios que consiga sintetizar as características da empresa, perspectivas de faturamento e despesas, além do modelo operacional. Esse documento vai ajudar tanto você como o agente de crédito, a compreenderem a gestão financeira da sua empresa.
Está pensando em abrir ou ampliar um negócio? Então, não deixe de conferir o que o microcrédito pode fazer! Mas antes, pesquise diversas instituições financeiras que podem oferecê-lo e escolha aquela que se adequar ao que você precisa na sua empresa.]]>

Deixe seu comentário aqui

Seu enderço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *