Mulheres superam homens na inadimplência com cheques

mulheres-endividadas-2

O alto percentual de endividamento da população brasileira — cerca de 33% da população ou 60,9 milhões de pessoas — é fruto dos estímulos governamentais ao consumo e do maior acesso ao crédito, o que resulta em um aumento da inadimplência em todas as formas de pagamento futuro, de acordo com a pesquisa da empresa especializada em análise de crédito Telecheque.

mulheres endividadasSegundo o raio-x do financiamento no Brasil feito pela empresa, a inadimplência com cheques foi uma das que mais cresceu — 3,53% em outubro, em comparação com o mesmo período de 2011. Mas o dado que mais chamou a atenção na pesquisa é o fato de que as mulheres respondem pela maior parte do endividamento. A sondagem mostrou que, do total de devedores entrevistados entre os meses de agosto e outubro, 57% eram mulheres e 43% homens. Os números explicam um pouco da retração no consumo verificada nos últimos meses.

inadimplencia cheque especial

Com muito mais famílias endividadas, em relação ao natal anterior, a tendência é que muitas delas usem o 13º para o pagamento de dívida. Um levantamento feito pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) revelou que 61% dos brasileiros usarão o benefício trabalhista para quitação de dívida.

Entre as causas para o endividamento por meio dos cheques, o descontrole financeiro ocupa o topo da lista, com 36%. Em seguida, o empréstimo de nome a terceiros em contratos de financiamento figura como a segunda maior causa da inadimplência através dos cheques, com cerca de 12% das respostas.

inadimplencia mulheres consumistasOutras informações fornecidas pela pesquisa dizem respeito às quantias devidas. De acordo com a Telecheque, mais da metade dos devedores (55%) possuem débitos com valores em torno de R$ 50 e R$ 500. Um outro detalhe interessante é que 58% dos endividados entrevistados ganham até R$ 2.040,00. Fique de olho em seu orçamento para não aumentar a estatística!

]]>

Deixe seu comentário aqui

Seu enderço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *