PJ ou CLT - saiba o impacto financeiro desta decisão

02F07102

02F07102

Trabalhar como professor em uma escola ou dar aulas particulares? Ser chefe ou funcionário? Ter um Home Office ou ir todos os dias para o escritório? Ser autônomo ou não ser: eis a questão!

Questionamentos à parte, o fato é que muitos profissionais ficam divididos entre a estabilidade do emprego formal e a liberdade do trabalho autônomo. Essa dúvida tem muita base, afinal, ambas as opções apresentam suas vantagens e desvantagens. Quer conhecê-las? Então, confira o nosso post e descubra os prós e contras de trabalhar com a CLT ou ser autônomo. Vem com a gente!

 

Prós e contras de ser autônomo

Ser um freelancer ou Microempreendedor individual pode ser muito vantajoso, até porque, nesses regimes de trabalho, os profissionais fazem seus próprios horários, podem atuar com flexibilidade e potencializar seus ganhos.

Por outro lado, muitos optam pelo trabalho autônomo em busca de um expediente mais tranquilo, o que nem sempre acaba sendo verdade. Para ser bem-sucedido no trabalho por conta própria, normalmente, é preciso trabalhar ainda mais do que no emprego com carteira assinada. Os freelancers e MEIs precisam correr atrás de novos serviços e clientes o tempo todo, coisa que não costuma acontecer com o profissional celetista, exceto nos casos em que ele trabalha na área comercial.

Outro ponto a ser considerado é que quem atua de forma autônoma deve redobrar a disciplina, para não perder o foco e acabar se distraindo com questões pessoais em momentos que originalmente seriam dedicados ao trabalho. Lembre-se que o faturamento nesse caso está diretamente ligado à produtividade!

Vale destacar que dentre as principais desvantagens do trabalho autônomo estão instabilidade financeira e a ausência dos benefícios típicos da CLT. A boa notícia é que autônomos devidamente regularizados podem ter acesso aos benefícios previdenciários. Para saber mais, consulte o Portal do Empreendedor.

 

Prós e contras de ter carteira assinada

O trabalho formal com carteira assinada apresenta várias vantagens, apesar de muitas vezes não ser encarado com prazer pelo profissional. Há de se ressaltar que quem trabalha em regime celetista tem mais facilidade de comprovar o tempo de serviço para aposentadoria e ainda possui o direito de usufruir benefícios previdenciários como auxílio-doença, férias, licença-maternidade, FGTS, dentre outros.

Nesse caso, o colaborador tem o percentual de 11% descontado em seu contracheque e o valor restante é pago pela empresa. Quando os profissionais são autônomos (como Pessoa física, PF, ou Pessoa jurídica, PJ), a responsabilidade pela contribuição é de exclusiva responsabilidade do trabalhador. O não pagamento dessa contribuição pode acarretar muita dor de cabeça no futuro, portanto, antes de se tornar um profissional independente planeje muito bem essa transição!

Quanto às desvantagens do trabalho com a CLT, certamente podemos citar a monotonia, os horários fechados, muitas vezes a falta de poder mudar algo e os ganhos limitados! Para quem sonha em ter o próprio negócio ou até mesmo crescer profissionalmente, esse tipo de trabalho talvez não seja o mais recomendado, a menos que haja plano de carreira, benefícios complementares e um excelente salário.

 

O que avaliar antes de optar pelo trabalho celetista ou virar autônomo?

Coloque todos os prós e contras na ponta do lápis e analise até que ponto a escolha pode ser positiva e quais impactos ela trará para sua vida pessoal, profissional e financeira. Liste tudo o que você ganha/gasta atualmente (salário, plano de saúde, vale transporte, vale refeição, contribuição previdenciária, dentre outros). Feito isso, liste também os gastos que o trabalho autônomo demanda (espaço físico, divulgação, tecnologia, impostos e outros). Depois é só fazer uma estimativa dos rendimentos médios em ambas as modalidades e tomar a sua decisão de forma consciente.

Lembrando que no trabalho autônomo, em um mês o profissional pode ganhar muito e no outro mês os ganhos podem diminuir. Sendo assim, é importante ter uma certa reserva financeira antes de dar esse passo para evitar maiores problemas. Outra medida importante é partir para a “carreira solo” apenas quando você tiver bastante experiência, se tornar conhecido no mercado e possuir uma boa rede de contatos.

 

E aí, ficou mais fácil escolher os rumos da sua carreira? Pense muito bem antes de tomar qualquer decisão! Independentemente da sua escolha, conte sempre conosco para manter a vida financeira em ordem. Até a próxima!

]]>

Deixe seu comentário aqui

Seu enderço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *