Tempos para esbanjar, tempos para economizar

x

Lembre-se que os tempos para esbanjar e os tempos para economizar dependerão da nossa situação. Por isso, muitas vezes, as coisas e experiências que antes faziam sentido gastar mais podem hoje não fazer mais.[/caption]

1. Faz sentido gastar mais se queremos algo que dure bastante tempo
Alguns anos atrás, estava de olho em um nova moto. Fui em algumas lojas, me informei pela internet e acabei me apaixonando por um modelo. O problema era que a moto escolhida não era barata (na verdade, ela era bem cara, por sinal). Mas quando eu comecei a ponderar sobre esse gasto, percebi que andaria com ela por tantos anos que talvez faria sentido gastar mais nessa compra.
Hoje, estou muito satisfeito com a moto escolhida. Tenho certeza que se tivesse escolhido outro modelo, teria que arcar com mais custos de manutenção e revisão.
Por isso, tempo é um fator essencial quando estou pensando em gastar mais. Se vejo que uma compra não durará por muito tempo, já sei que opções mais baratas poderão valer mais a pena.
2. Faz sentido gastar mais se queremos experiências raras e específicas
Acredito que uma das melhores sensações é aquela de aguardar um período para aproveitar aquela experiência tão esperada. No meu caso, sempre quando vou à praia visitar meus pais, faço questão de ir num restaurante incrível na beira da praia.
Parte da razão é simplesmente a ansiedade de encontrar minha família, dar um mergulho no mar e comer aquele peixe fresquinho. Como isso acontece poucas vezes no ano, o prazer de aguardar esse dia já paga o preço dessa experiência por si só, mesmo que ela seja tão mais cara que as outras opções.
Então, quando você quiser gastar mais em algo específico, lembre-se de considerar o valor da ansiedade e quantas vezes você está pensando em fazê-lo. A expectativa por um evento futuro pode igualar ou até mesmo bater a felicidade do próprio evento.
3. Não faz sentido gastar mais se não for uma prioridade
Às vezes, o genérico é tão bom quanto o de marca. Ao contrário do meu restaurante favorito, eu nunca escolheria o sabão em pó mais caro. Nada contra as marcas de sabões em pó, mas para mim se está fazendo bolhas e limpando minhas roupas, minha prioridade será a mais barata. O ponto é que quando gastamos mais, é importante considerar as razões 1 e 2 e também se essa compra realmente importa para nós.
Se as opções seriam facilmente trocadas, então vá para a opção mais em conta. Não entre no hábito comum de achar que quanto mais caro o produto é melhor.
4. Não faz sentido gastar mais se for para “manter as aparências”
Lembram do meu amigo no começo desse texto? Então, por mais que ele não entendia os hábitos de compra dos seus vizinhos, não fazia diferença ver que estavam com a casa mais bonita ou com o carro do ano.
Por isso, não se esqueça da frase “para manter as aparências” ao decidir o que vale a pena. Se para determinada compra você achar que essa frase está fazendo sentido, isso pode ser um sinal para adiá-la.
Comprometa-se a gastar mais só nas coisas e experiências que fazem sentido pessoalmente. Não importa o que nossos vizinhos ou amigos querem. Concentre-se no que é importante para você e sua família e ignore no que os outros estão gastando.
Por fim, lembre-se que gastar muito dinheiro em algo – mesmo que seja de luxo – não quer dizer que esteja tomando uma decisão ruim. Pode até ser a melhor decisão. Mas, para chegar ao ponto de saber isso, é importante que estejamos cientes da razão pela qual queremos gastar mais e que esta decisão esteja realmente alinhada com os nossos valores.
Quanto mais tomamos decisões financeiras que apoiem nossos valores, menos provavelmente iremos nos arrepender, mesmo que sejam escolhas caras. Mantenha essa ideia em mente nas próximas vezes que você se perguntar se realmente vale a pena gastar mais. Prepare-se: às vezes a resposta será sim.
Adaptado do texto “A Time to Splurge, and a Time to Pinch Pennies”, de Carl Richards.

]]>

Deixe seu comentário aqui

Seu enderço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *